Top Menu

A evolução com o HFC

Com o passar dos anos e com a demanda por mais velocidade e largura de banda, os sistemas de cabo:

  • Migraram de canais analógicos para canais SC-QAM de 6 MHz
  • Migraram de esquemas de modulação de 16 canais QAM até 256 QAM
  • Migraram de esquemas de modulação de 16 canais QAM até 256 QAM
  • Começaram a migrar de arquiteturas de acesso centralizado para arquiteturas de acesso distribuído (DAA)

Todas essas mudanças trouxeram diferentes desafios para os fabricantes e usuários de sistemas de fuga. Junto com essas migrações, o método para realizar as medições de fuga também foi alterado. Como devem se lembrar, os primeiros detectores de fuga eram simplesmente sintonizados na portadora de vídeo do canal analógico e podiam fornecer uma medição da intensidade em campo diretamente dessa portadora, detectando ao mesmo tempo a irradiação de saída da instalação de cabos. Depois veio a necessidade de se diferenciar entre dois sistemas de cabos sobrecarregados no mesmo local. A capacidade de marcar (modular com AM ou FM a portadora analógica) a portadora de fuga permitiu isto. Em seguida, veio o sistema de cabos totalmente digital, no qual as SC-QAMs substituíram os canais analógicos. Os fabricantes de equipamentos desenvolveram novos dispositivos de detecção de fuga que podem detectar sinais de nível muito baixo, injetados a partir do “headend” entre dois canais QAM. Até esse período (aproximadamente 2012), o único monitoramento de fuga que estava sendo exigido pela FCC (com exceção da cláusula de interferência prejudicial) era principalmente na banda aeronáutica, conforme analisado anteriormente.

Detecção de fuga de sinal multifrequência decola

Quando o LTE começou a ser implantado, não foi uma grande surpresa que a saída das redes de cabo tenha começado a interferir nos sinais de celulares na banda de 700 MHz. Até esse momento, não havia ocorrido muita reflexão sobre detecção/monitoramento de fuga nos ranges de frequência UHF. Foram feitos estudos mostrando que as fugas atuavam de forma bem diferente à medida que se subia nas fugas de frequência versus fugas na banda aeronáutica inferior. Conforme se sobe a frequência, as deficiências na instalação que causam a saída do sinal irradiam os sinais de frequência mais elevada com mais eficiência do que as frequências mais baixas, causando mais fuga na faixa UHF do que na VHF. Adicionalmente, muitas das fugas detectadas em uma banda não se irradiam na outra banda. Disto surgiram os detectores de fuga de frequência dupla, frequência tripla e agora até mesmo de frequência quádrupla, capazes de cobrir toda a banda de frequências para detectar as fugas específicas dessas frequências em campo.

O futuro – as tecnologias de fuga de sinal continuam a evoluir com o HFC variável

As arquiteturas de acesso distribuído estão promovendo muitas mudanças nas arquiteturas de redes de cabo e onde as diversas funcionalidades residem na rede. A remoção da RF dos hubs forçou a virtualização da funcionalidade de taggers de leakage nos nodes DAA. A adição de portadoras OFDM largas no DOCSIS 3.1 está impulsionando os sistemas de fuga para terem agilidade em todas as frequências, para colocar marcadores em qualquer lugar no espectro em downstream e para detectar as próprias portadoras OFDM nas quais os marcadores não forem viáveis. O DOCSIS 3.1 também permite a extensão da largura de banda em downstream para 1,2 GHz, forçando a necessidade de equipamentos de detecção de fuga com frequência ampliada.

A história da fuga em cabos continuará a ser escrita conforme as operadoras de cabo expandirem cada vez mais a aplicação de tecnologias de fuga para além de apenas provas baseadas na FCC nos Estados Unidos para o reforço de proteção de toda a instalação. Instalações estanques simplesmente operam melhor e medir a fuga é o método mais eficiente para se atingir essa meta. À medida que a fuga torna-se uma parte ainda mais crítica dos kits de ferramentas de manutenção em instalações de MSO, é imperativo que essas ferramentas continuem a evoluir com o HFC em constante mudança para escrever o próximo capítulo dessa longa jornada.



Saiba mais sobre produtos VIAVI para fuga de sinal em cabos

Siga a VIAVI no LinkedIn para conferir o restante desta série de publicações

About The Author

Avatar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
Close